All content @ by Franklin Nolla

Posts com tag “França

Que o céu nos proteja!

Ufa! Finalmente o ano novo começou. O meu desejo é que o Anjo da Guarda, aquele que toda pessoa tem ,  não tire folga também  nos feriados que virão e  acabe , como nós, se acostumando com a preguiça e esqueça  de  nos proteger   no ano de 2013. Venhamos e convenhamos, o Brasil é o país dos feriados e  principalmente dos impostos. Se prepare,  não será mole a quantidade de contas que você terá que pagar  e  infelizmente não existe anjo da guarda que consiga evitar  isso. Para outros assuntos, peça e tenha fé que ele estará presente,  mas insista porque talvez  esteja curtindo mais uma “semanona”de feriados.O próximo  ënforcamento” de trabalho será no Carnaval, depois na Páscoa, depois nas Festas Juninas, depois no dia das Mães e depois…….e  depois acabou o ano. Viva a ‘leseira”. Viva os “feriadões”.Viva o “Pibinho”…….. Anjinho… dá um jeito no vizinho!…Tá todo mundo “quebradinho”….

Picture by Franklin Nolla –   Gordes/France.

galeria em Gordes,Fr 72


Una giornata particolare. Larguei a mamma no quarto e fui ao cinema.

 Ontem eu não estava mais aguentando a rotina hospital/casa/hospital. Resolvi deixar um pouco de lado as agruras da vida e resolvi ir ao cinema. Fui ver o filme “Um dia muito especial ” da retrospectiva do grande diretor italiano Ettore Scola, na Cinemateca Paulista. No caminho, enquanto estava no táxi, comecei a ler matérias sobre o  festival de Cannes.No final de 2010 estive fotografando por lá e lembrei dos bons momentos de um jantar  a beira mar, perto do Palácio das Exposições onde acontece o famoso festival. Comi em um bistrô muito charmoso, com boa comida e preços razoáveis para a Riviera Francesa. Em algum momento, durante o dia, fiz algumas fotos da Gabi  em frente ao Palácio do Cinema. Por alguns minutos, senti o frisson causado pelas tietes e fãs da sétima arte. Uma quantidade enorme de pessoas vieram perguntar quem era aquela “artista” que eu estava fotografando. “Tres belle”, “tres jollie” eram os constantes adjetivos endereçados a bela Gabriela. Como se fossem formigas no mel, a “muvuca” se formou em um piscar de olhos. Tratei de clicar rápidamente e sai  ligeiro de cena”a francesa”, pois ainda tinha um bom pedaço de dia para trabalhar ( no verão, no sul da França, escurece por volta das 22 hs) . De repente o motorista do táxi falou um palavrão para um outro motorista e voltei a realidade de Sampa. Pouco tempo depois, fiquei imaginando como deve ser o assédio do público aos artistas  na entrada do Festival de Cinema de Cannes. Robert de Niro, Woody Allen, Penélope Cruz, Brad Pritt , para citar os mais importantes, devem passar por maus bocados quando desfilam em frente a turba consumista. Histeria,  flashes, gritos, risadas nervosas, tentativas de toque, devem molestar bastante os caras. Chôôôô… Prefiro estar atrás das câmeras.

Voltando a Cinemateca, assisti ao filme e fiquei pasmo com a aula de interpretação dada pelo Marcello Mastroianni e pela Sophia Loren. Praticamente atuaram em um Cineteatro, segurando a atenção do espectador , do principio ao fim , isso sem contar com a beleza dos dois atores. E por falar nisso, duvido que o casal Smith, Angelina Jollie e Brad Pitt , consigam segurar um filme só no talento da interpretação…Never… A direção do Scola é também magistral. Para mim, ele é  um dos grandes mestres. Reunir esses “monstros do cinema” , com tanto talento,  acredito que nunca mais será possível. É como a dobradinha Pelé e Coutinho, Lennon e McCartney.

Para os  que gostam  de cinema, ainda restam 4 raras oportunidades para  se ver a grande obra de Ettore Scola. Duas sessões hoje e duas amanhã (sábado) na Cinemateca Paulista.Consultem os horários.

foto-Franklin Nolla.


Degustando o nectar dos deuses.

A seleção brasileira de futebol é “freguesa ” da seleção francesa. Faz 19 anos que não ganhamos deles. Quem sabe um dia ,esses ridículos que nos representam, tenham vergonha na cara e acabem com esse tabu grotesco. Já a seleção francesa de vinhos é praticamente imbatível em todos os quesitos, principalmente a qualidade. Como exemplo, cito os pequenos produtores do vale do Loire. As vinícolas tem as “maisons”  de degustação mais charmosas e bonitas que eu visitei. A Domaine de Valdition é uma delas. Tem uma bela adega, um balcão para degustação de óleo de oliva e um bocado de delicatessens espalhados por mesas e prateleiras, aguçando a vontade de comprar e experimentar tudo. É  só se deixar levar pelo modo de vida da Provence e curtir cada minuto passado nesse  simpático  ambiente.Vale a pena bebericar e jogar conversa fora. Difícil é pegar a estrada depois de algumas horas de puro deleite.

fotos:Franklin Nolla.


Abaixo os racionados e caros restaurantes franceses no Brasil.

Primeiro eu gostaria de contar com a simpatia de vocês que me prestigiam lendo o Rang Birangi. Estou em um período de mudanças nesse início de ano em Sampa. Mudei o estúdio, retomei a musculação mesmo com dores e agora estou reformulando o blog e o site com um novo template e uma nova formatação. Em breve, estará no ar. Por favor,  aguardem mais um pouco.

Bem , estava para postar quando li em uma revista de grande circulação uma dica de restaurante francês em São Paulo. Parece que todos os leitores  são millionaires. O jornalista , depois de tecer e enaltecer a culinária européia escreveu  o preço e desembainhou a faca para a  facada. É impressionante o valor cobrado. Aí me lembrei dos almoços e jantares desfrutados fartamente em Aix-en-Provence. Por apenas 16 euros pode-se comer e beber um bom vinho de garrafa  dos pequenos produtores da região,  como o da foto acima. Eu pedi uma  mousse de salmão com uma assiete de folhas verdes `a Provençal, com bastante  copa , tomates secos e pedaços de baguettes torradas. Foi bom demais e custou pouco.. Que tal esses chefs franceses daqui  maneirarem um pouco nos preços  e aumentarem um pouco a quantidade?

foto-Franklin Nolla.


Gordes. A cidade Superb.

Este é o último post da minha viagem `a França. Para encerrar com chave de ouro, a cidade escolhida e  por coincidência cronológica também, é  Gordes. O “creme de la creme”. Para quem chega pela estrada , a visão das construções no alto da colina é estupenda. No topo  da cidade há uma rotonda  (rotatória) que é o centro . Olhe para a direita-ateliers de pintura e mini-galerias de arte. Olhe para a esquerda-uma apetitosa boulangerie. Olhe para a frente- uma bela igreja cristã. Olhe para trás-simpáticos bistrós. No meio de tudo isso- gente bonita. Criatividade, cultura  e charme são as essências dessa cidade.  Vejam as imagens abaixo.

 

Aqui vale um comentário. As pessoas  estão sentadas em uma laje circular projetada sobre um abismo de no mínimo 100 metros de altura. Que mêda, mas é muito legal.

Bem …… um dos melhores prazeres da vida são os doces , principalmente o das patisseries francesas.  Esses são simplesmente de dar água na boca.  O  meu anjinho do bem me deixou comer apenas dois …. prá quem tem colesterol alto…. tá de bom tamanho.

Uma dica-  A cidade é citada no filme ” Um bom ano ” de Ridley Scott,  rodado na Provence e estrelado por Russel Crowe e a talentosa e bonita Marion Coutrillard. Vale a pena ver e apreciar a beleza da grand maison e das vinhas da região do Luberon……..

Santé….

Adieu France…

fotos – Franklin Nolla.


A frustração na bela paisagem.

 

A vista  do campo de lavandas em frente a Abadia  de Sénanque é praticamente o mais famoso cartão postal  da Provence. Quando estive lá,  as flores tinham sido  recem-colhidas , e o campo mostrava uma desolação pós-colheita. Fazendo uma analogia com o Rio de Janeiro, seria como ver o morro do Corcovado sem a imagem do Cristo Redentor. Uma frustração.  Dali segui em direção a Gordes, o último local que visitei na Provence. Antes disso,  parei no caminho, para dar uma espiada no museu da Lavanda. O lugar é muito legal. Pode-se  conhecer todo o processo de beneficiamento  (destilação) para se obter  os valiosos óleos . O final da visita acaba desembocando em uma simpática lojinha que vende todos os produtos derivados da simpática  florzinha azul violeta.  Difícil é escolher alguma coisa no meio da profusão de odores deliciosamente perfumados . O preço é convidativo se comparado ao praticado no Brasil, mas  não muito, devido a valorização do Euro.          fotos- Franklin Nolla.             


Lavanda, o ouro azul da Provence.

Os Romanos no apogeu do império, utilizavam a lavanda para  perfumar os seus banhos e  suas roupas de cama. Hoje,  alem de ser uma das matérias primas principais no preparo dos perfumes, a lavanda também é reconhecida pelas suas propriedades medicinais e terapêuticas. Existem 3 tipos de lavanda. A lavanda fina, catalogada como lavanda angustifolia ou vera ou offcinalis é encontrada em altitudes maiores  que  800 mts e principalmente nas colinas de  Valcluse, na Provence. A lavanda spica, floresce em altitudes de 0 a 600mts , e é pouco utilizada na França , devido ao forte perfume que exala. Na Espanha e Portugal , ela é utilizada como diluente de tintas para pintura artística e para pintura em porcelana. A lavanda hibrida, ou Lavandine , é  um cruzamento da lavanda fina com a lavanda spica  e floresce em todos os continentes na altitude de 0 a 800 mts, sendo utilizada em larga escala pelas indústrias de cosméticos , mas o seu óleo não pode ser utilizado para fins medicinais ou terapêuticos.

A Lavanda fina é  a tal .Para se produzir  1 litro de óleo puro , necessita-se de 130 kg de flores in natura. Só que esse óleozinho é super poderoso. Em gotas ou spray, ele cura insonia, irritabilidade, stress, dor de cabeça, queimaduras, mordida de insetos,resfriados, sinusites,dores de garganta, parasitas intestinais,reumatismo, ferimentos e queimaduras de sol. Todo esse benefício é obtido só na variedade angustifolia .

foto- Franklin Nolla.