All content @ by Franklin Nolla

Posts com tag “Tempestade

Um tributo fotográfico aos Novaiorquinos. A Photographic Tribute to New Yorkers.


 As últimas previsões metereológicas apontam para uma possível nova tempestade atingir  New York e New Jersey ainda nessa semana. Tomara que não.

O motivo deste post é prestar um tributo fotográfico aos habitantes de Nova Iorque e Nova Jersey.

Esse local, Battery Park,  em “Lower Manhattan” foi praticamente arrasado pelo furacão Sandy. Uma pena. Aí vai  a minha homenagem aos  cidadãos comuns que fazem parte de  uma grande cidade.

Battery Park/ Lower Manhattan

Mulher dirigindo  ônibus em Manhattan. Bus driver.

Em cima do ônibus turístico. Sightseeing bus.

Trabalhador recolhendo entulhos. American worker/Debris.

“Camelô”  chinês. Chinese worker.

“Loiraça”. Beautiful lady.

Simpática moça trabalhando feliz da vida na divulgação da peça da Broadway/ Priscilla , a Rainha do Deserto. Happy woman working at Broadway.

Amy Winehouse style.

Com um pouco de humor, uma  criança examina “as partes” da estátua  de Marylin Monroe  no museu de cera de Mme Tussaud.

Oopss!. What about Marylin underwears?

All pictures by Franklin Nolla.


Lago Gladys-El Fosso-Roraiminha

Lago GladysEl FossoRoraiminha

No penúltimo dia no topo fui em direção a proa da montanha afim de visitar o lago Gladys. Para variar saí debaixo de uma leve chuva.Depois de um tempo, sol, chuva, sol, chuva e etc….e pedras, jardins, pedras e finalmente o lago. Senti uma certa frustração, talvez pelo fato do dia estar cinzento,  achei o lago meio sem graça e continuei até o El Fosso, com a mesma sensação. Daí fui tentar ver a proa mas para isso teria que fazer uma descida no rapel para atingi-la. Não me achei apto para isso  e fiquei assistindo para ver se alguma pessoa iria. Bingo, só uma moça, a Lia, conseguiu. Fiquei feliz por ela. No retorno  o clima ficou muito ruim.  Uma supertempestade com ventos fortíssimos me pegou em cheio. Fiquei com muito medo pois caiam raios a granel. As pessoas que caminhavam junto a mim , eram verdadeiros para-raios ambulantes. Por sorte e por intervenção divina, nada aconteceu. Depois do dilúvio, fiz um rápido lanche ao lado de uma bela paisagem- o Roraiminha – tepui menor do lado brasileiro da fronteira. Daí tive uma certeza – o meu par de tênis em frangalhos resistiria até o final do trekking. Ufa!

fotos- Franklin Nolla